Sexta-feira, 5 de Maio, 2017

 

Tchau e obrigado Cassini

 

O ser humano é muito arrogante e presunçoso. Achar que uma entidade superior nos criou a sua imagem e sua semelhança é uma visão arcaica e preconceituosa com os outros animais. Por que nós temos que ser perfeitos e "escolhidos" e as outras criaturas não serem "semelhantes" a essa entidade? E não contente com essa arrogância, ainda o ser humano resolveu que a Terra era o centro do universo!

Perdurou muitos séculos essa ideia absurda de que a Terra era o mais importante planeta, aquele sobre o qual todos os outros orbitavam e prestavam reverência. Nós humanos somos os únicos que destruímos nossos semelhantes por discordar da ideia ou ideologia "correta" que a maioria quer adotar.

Por que a maioria está correta? Quem disse que a maioria é justa? Quem criou a ideia ridícula que nós temos que pensar todos iguais e desprezar, ou mesmo matar, os semelhantes que não pensam da mesma maneira? Por que jogam na fogueira ideias e opositores em face de uma verdade que é falsa?

Quem criou essa imagem do certo e errado? A ignorância, a falta de educação, onde não são os que sabem muito, mas sim os radicais ignorantes desprovidos de senso de inteligência que se acham superiores, mas na verdade são tão insignificantes quanto a unha do dedão do pé. E foram essas pessoas ligadas à religião que sacrificaram grandes pensadores e astrônomos da antiguidade, os quais foram mortos por discordar de ser a Terra o centro do universo.

Tirar Deus de seu posto de regente maior da natureza foi um insulto para os religiosos. Na realidade, apesar dos enormes avanços da ciência, os ignorantes parecem voltar à tona com sua exacerbação religiosa, cega de saber, surda de ouvir os verdadeiros sons da realidade universal.

Grandes cientistas já afirmaram que, a ciência não é a melhor coisa do mundo, mas é a melhor ferramenta para se entender o mundo. Ela tem erros, ela tem limites e isso faz diferença entre ciência e religião. Não aceitamos dogmas, tudo deve ser provado. Não aceitamos convicções, tudo deve ser rigorosamente checado com dados.

Por exemplo, em Matemática, quando desejamos provar um teorema, formulamos hipóteses e tese. Uma das maneiras de se provar um teorema é negando a tese. E quando fazemos isso, usando as hipóteses, se chegamos a um absurdo (por exemplo 1 = 0) é porque a tese é correta. A negação provocou um absurdo.

É duro para uma pessoa radical e cega por alguma religião entender isso, mas não somos nada. Somos tão insignificantes quanto qualquer grão de areia. Criticar ou colocar na fogueira seus semelhantes como na idade média, é tão animalesco quanto leões. Mas tem uma diferença. Leões matam para comer ou para se defender. O único animal que mata por prazer e vingança é esse ser dito semelhante a algum ente especial e regente.

O italiano Giovanni Domenico Cassini foi um grande astrônomo nascido em 1625 e morto em 1712. Nasceu apenas um século e meio dos anos mais terríveis da idade média. E com novos ares do ensino, estudou matemática, astronomia, astrologia e engenharia. E resolveu estudar Saturno, descobrindo 4 satélites e um espaçamento incomum nos anéis do planeta.

Cassini determinou o período de rotação de Marte e Jupiter, estudando com detalhes a rotação da atmosfera de Jupiter. Em 1672 resolveu desafiar a igreja ao ser o primeiro pesquisador que tentou estimar o tamanho do Sistema Solar. Pisou em solo arenoso, pois suas medidas reais não batiam com o que a igreja ditava na época. Graças ao seu trabalho, Tycho Brahe propôs um novo modelo de Sistema Solar que culminou com o sucesso de Kepler anos depois.

E por ser Cassini essa semente da revolução, as agências espaciais escolheram seu nome para homeagear uma missão enviada para Saturno em 1997. A sonda foi construída por 17 países e nesse ano completa 20 anos de uma missão pra lá de bem sucedida. A sonda da missão Cassini levou 6 anos e 261 dias para chegar a Saturno.

Cassini não nos presenteou apenas com as melhores imagens de Saturno, mas nos mostrou nossa enorme insignificância.

Os anéis se mostraram mais do que anéis, mas estruturas de partículas sólidas à vezes da espessura de um fio e cabelo.

Muito fino e .... com som! Para quem desejar escutar o som dos anéis de Saturno, é só clicar aqui.

Ao mergulhar uma uma sonda menor na lua Titã que orbita Saturno, a missão nos revelou vales, picos e canais gigantes, todos cobertos de gelo.

Mas uma das maiores surpresas foi sua passagem pela lua Enceladus quando foi observado geisers saindo do corpo celestial.

A princípio os pesquisadores acharam que seria apenas um reflexo na câmera de alta resolução.

Mas após contornar o astro, os geisers se mostraram realmente hidrogênio sendo espelido para fora da lua.

As câmeras captaram rachaduras no congelado corpo que orbita Satuno e detectaram que ao rachar esse gelo o subsolo espelia hidrogênio.

Outra descoberta da missão foi o forte campo magnético de Saturno e sua força descomunhal nos satélites.

Linhas de força se mostraram muito mais fortes do que se supunha anos e anos antes, provando que os modelos estavam errados sobre o planeta.

E ao contrário da religião e dos radicais religiosos que se opõe aos erros encontrados, ou inconsistências de seus dogmas, a ciência vibra quando acha algo errado.

Encontrar um erro, ter que modificar seu pensamento, revela que a natureza está sempre pregando uma peça na maneira lógica de pensarmos.

E tentar entender o erro nos faz crescer ainda mais, nos faz perceber que somente o estudo e dedicação nos aproxima da verdade, da realidade desconhecida.

Saturno - foto feita pela Cassini em 2016

 

Som dos anéis de Saturno

Lua Titã de Saturno

Geisers de hidrogênio de Enceladus

Campo de força de Saturno

"Grand Finale" - mergulho final da Cassini e furacão de 2 mil km de diâmetro

Lua Enceladus

 

E devido ao desgaste dos equipamentos, devido aos problemas de alimentação das fontes de energia, Cassini precisaria ser desligada.

Mas algo tão nobre, uma missão que conquistou tantas coisas, que enviou tantas imagens e dados, não poderia nunca terminar apenas desligando os equipamentos e se resfriando.

E então a Nasa criou a fase final da missão, mais uma vez num planlo muito arrojado.

Eles chamaram essa fase final da missão de "Grand Finale". Antes de sair de sua órbita, a sonda foi acelerada até seu ponto mais distante.

Então os últimos gases de seus foguetes foram disparados para mudança de órbita. Os gases dos motores direcionaram a sonda Cassini em direção ao planeta Saturno.

Mas ao invés de se chocar no planeta, primeiro os cientistas fizeram a sonda passar entre o planeta e seus anéis.

E a medida que a sonda passava por entre os anés, finos, muito finos, uma câmera focalizava o planeta.

E com isso, descobriu-se mais uma vez surpresas como vórtices e furacões no gigante planeta.

Um dos furacões girando na atmosfera superior do planeta tem um diâmetro de 2 mil km

Apenas uma pequena faixa foi filmada e fotografada, pois a sonda estava tão próxima que não foi possível ver o planeta todo.

E a sonda passou e vai retornar em Setembro.

Em Setembro a sonda virá com toda a força para o centro de Saturno, enfrentando as forças da natureza desconhecida do planeta.

Claro, antes de sua morte total e desintegração, Cassini vai nos enviar os últimos dados de seu respiro científico.

E com certo ar de tristeza, a sonda virou para trás, e olhou seus verdadeiros "criadores".

Não, a sonda não procurou nenhum deus, ou deuses, mas nós humanos. A Cassini esqueceu por alguns minutos sua missão e resolveu fotografar a Terra, como que para se despedir.

E a despedida foi com traje de gala. Não somente Cassini pegou na foto a Terra mas também a Lua!

Numa das fotos mais fantásticas por sua beleza, distância e dificuldade, a foto que Cassini fez da Terra nos remete ao "pálido ponto azul " do grande Carl Sagan.

A lembrança não poderia ser mais correlacionada do que a foto tirada pela voyager-1.

Carl Sagan contava que essa foto do pálido ponto azul foi resultado de semanas de brigas. Os cientistas tinham medo de manobrar a sonda para tirar foto da Terra e perder o controle da missão.

Mas ganhou e prevaleceu a força que Carl Sagan exercia sobre seus pares. A foto, que se tornou uma das mais famosas do espaço exterior, foi capa de diversas revistas na época.

Foi tão importante para Carl Sagan que culminou por se tornar capa de seu livro "O pálido ponto azul".

 

Mergulho entre os anéis de Saturno

Terra e Lua vistos dos anéis de Saturno

E o "Grand Finale" está chegando para essa grande e importante missão. É a prova concreta de que competência, ensino de qualidade, reconhecimento de governos, estratégias de longo prazo, respeito com a ciência, faz o ser humano crescer.

Crescer?

Não, ao contrário. Programas e missões como essa da Cassini faz nos sentir cada vez menos importante, cada vez mais desprezíveis e por isso mesmo acabar por desprezar todas essas brigas e intolerãncias sobre qualquer tipo de assunto. O mundo involuiu na Terra, mas cresceu em termos de conhecimento.

Qualquer assunto é tema de debate racista, xenofóbico, separatista, intolerante entre tantas outras babaquices. Agora todo mundo se acha no direito de invadir o pensamento ou as ideias dos outros e ofender, sejam com palavras maldosas, sejam com atos, sejam com processos, sejam com calúnias, pois se acham acima da verdade.

O que é verdade? Deus é verdade? Deus é sentimento, é fé, e é uma verdade subjetiva para religiosos, crentes de religiões. Mas nem por isso, quem não acredita num ser ou entidade "supremo" deve ser atacado ou julgado como errado.

A única verdade que existe é que somos um ponto pálido no céu. Prontinho para ser aniquilado por qualquer asteróide.

Então quem é dono da verdade? Ninguém.

Tchau Cassini!

Obrigado por nos tornar menores e nos colocar onde realmente devemos estar:

Estamos no rodapé do livro chamado Universo!

 

 

Gostou do texto?

FAÇA UM DONATIVO PARA O SITE

(R$ 2,00 ; R$ 5,00 ; R$ 10,00 )