Quinta-feira, 23 de Março, 2017

 

O momento dos títulos de longo prazo

Trezentos anos depois, o economista e precursor da ideia de títulos da dívida como negócio de um país estaria orgulhoso de sua "peripécia" para agradar o Rei da França. Já contamos aqui a história de John Law e sua "mágica" criação sobre os títulos para arrecadar dinheiro para as guerras da França. Vale conferir isso em nosso texto "O perigo do monopólio irracional".

John Law, dono da Companhia do Mississipi

Também em 2011 já mencionamos e explicamos que, em época de crise, quando a inflação começa a cair e o desemprego aumentar, caso um governo mexa bastante na taxa de juros para controlar a inflação, os títulos conhecidos como pós-fixados pode ser um bom investimento, mesmo para o pequeno investidor.

Explicamos cautelosamente, inclusive demonstrando em planilha de Excel, como é o funcionamento para esse tipo de título em nosso texto chamado "Hora de ir às compras ... de títulos". Por fim, já comentamos também que não existem bons modelos, ou modelos razoavelmente confiáveis para previsão sobre o caminho dos títulos.

Apresentamos como um dos melhores em nosso texto "A hora do Tesouro está chegando" em 2014. Nesse texto exaurimos a paciência do leitor com intuito de deixar registrado a diferença entre modelos econômicos acadêmicos e vida real. Adaptamos o modelo de Svensson, um economista sério e famoso, cujo modelo é bastante utilizado nos meios acadêmicos.

Deixamos no texto de 2014 uma previsão com esse modelo para os 4 anos seguintes. O modelo errou, como esperávamos, mas acertou a tendência geral da curva de juros. Ao invés de 4% de juros para o título NTNB-principal de 2035, como o modelo de Svensson previa em nosso texto, nunca o título que fizemos previsão caiu abaixo de 5%. A figura à seguir mostra nossa previsão com esse modelo matemático.

Modelo de Svensson em 2014

Realmente os juros subiram e depois caíram, mas bem mais lento do que previa o modelo naquela época. A linha azul no gráfico anterior e acima são os dados de juros para o título NTNB-principal de 2035.

Esse é um título de longo prazo e oscila sob qualquer estresse no mercado. E pequenas oscilações hoje, significam grandes variações nesse título, seja para ganhos ou perdas.

Um outro título de longo prazo e pós-fixado que começou a ser negociado nesse ano é o NTNB-principal de 2045. Está com uma tendência de alta e suas oscilações são ainda mais fortes do que o título com vencimento em 2035.

Pode ser um bom momento do pequeno investidor abrandar sua crise particular e tentar ganhar, pelo menos em porcentagem, aquilo que os bancos ganham com nossas aplicações.

Ao lado vemos que o preço do NTNB-principal começou o ano valendo R$ 685,00 e hoje vale R$ 717,00.

Segundo própria tabela do Tesouro Direto, o NTNB-principal de 2035 já rendeu em 12 meses 31,08%. O título NTNB-principal de 2045 rendeu nesse ano 5,21% ao investidor.

Isso é bem mais interessante do que os fundos que os bancos tentam colocar "goela abaixo" do investidor desavisado, ou mesmo do pequeno investidor.

Em desespero para captação de recursos os bancos tem, ultimamente, feito investida pesada sobre os clientes. Eles tentam vender a ideia de que tudo está melhorando e que agora as cotas dos fundos são bem interessantes, com retornos "garantidos".

A situação, como já escrevemos antes, está piorando a cada novo texto que estudamos antes de escrever.

Com a crise da carne deflagrada desastrosamente pelos jovenzinhos da PF, acabou por enterrar nossas vacas de preocupação.

Dos bilhões de reais de exportação por semana, o setor só conseguiu exportar R$ 74 mil reais nessa semana que passou. Nada, absolutamente nada.

Até mesmo a Arábia Saudita, que envia missões constantemente para o Brasil, cancelou suas importações.

Quanto tempo os pequenos frigoríficos vão resistir? Quantas cidades pequenas vão aguentar esperar por meses até tudo voltar ao normal?

Caro leitor, o desemprego vai disparar.

 

 

 

 

 

 

 

 

Rentabilidade de 12 meses para o NTNB de 2035 e 2045

Modelo de Svensson para NTNB-principal 2045

Rodamos o modelo matemático de Svensson novamente, agora ajustado aos novos parâmetros e simulamos para 4 anos à frente.

A curva azul se refere aos juros do NTNB-principal com vencimento em 2035. A curva vermelha é o ajustado e os juros esperados para daqui 4 anos.

Vemos que existe uma tendência central de queda nos juros, o que faz jus a atual conjuntura econômica. Existem discursos, falas e comentários sobre a queda mais forte da Selic por parte do Banco Central.

E isso realmente deverá ocorrer, o que promoverá como resultado uma possível queda forte nos juros desses títulos.

Como os preços são inversamente proporcionais aos juros praticados, quando os juros caem os preços sobem e vice-versa.

Logo, o pequeno investidor poderá se beneficiar, ainda que com pouco dinheiro, de bons retornos para esses títulos.

Precisa de muito dinheiro?

Não precisa, visto que o investidor pode comprar até 0,2 de um título. Ou seja, não se precisa comprar nem mesmo um título inteiro.

A aplicação mínima também despencou. Na época de nosso primeiro texto em 2011, a aplicação mínima era de R$ 100,00. Agora, pelo texto do Tesouro Direto a aplicação mínima é de R$ 30,00.

O importante lembrar é que isso não ajuda o país. Na verdade estamos todos jogando o jogo que o carniceiro investidor de fora deseja e quer, ou seja, que paguemos a ele juros pelo crédito do dinheiro que nossos políticos no passado emprestaram. E quem são esses políticos que causaram tudo isso?

Tudo começou desde quando a família real esteve no Brasil. Mas a aceleração desse processo veio na época do então ministro Delfim Neto, que apostou errado nos empréstimos e, com a virada radical no preço do petróleo, os juros mais baixos dos empréstimos dispararam às alturas e mataram o Brasil.

E até hoje, estamos aí, pagando aos outros um dinheiro que era para ser nosso.

Então por que comprar isso?

Vai fazer diferença se o pequeno investidor não comprar? O pequeno investidor ficando na poupança ajuda a acabar com essa ciranda financeira sobre nossos títulos? Não, não adianta nada.

E por que o pequeno investidor deve encher os bolsos dos bancos com fundos que pagam pouco, se os bilionários investidores ajudam os credores internacionais. Logo, o propósito é batalhar contra esse mal, e jogar o jogo para entender seu funcionamento e não ser excluído pelo tempo enquanto outros estão lucrando sobre o dinheiro do pequeno investidor.

Logo, a criação de John Law não é boa. Se assim fosse, ele não teria fugido da França para não morrer nas mãos da população revoltada que iniciou a revolução francesa. Mas entre tomarmos nosso dinheiro e ganharmos tanto quanto os bancos, ou ficarmos lamentando rendimentos pequenos e ver os banqueiros ganhar, melhor que cada um de nós valorize seu próprio dinheiro do que valorizar bancos.

Vamos jogar o jogo estratégico, aprender e ganhar com o dinheiro deles também. Quem sabe um dia, outros países é que não estarão nessa situação e nós quem estaremos comprando dívidas dos outros. Difícil, mas ninguém tem bola de cristal.

 

Gostou do texto?

FAÇA UM DONATIVO PARA O SITE

(R$ 2,00 ; R$ 5,00 ; R$ 10,00 )