Terça-feira, 27 de Dezembro, 2016

 

As peças do seu futuro

Todos apostam as fichas de suas vidas no futuro. Temos a noção de que o tempo é como um fluxo de água corrente onde, se agora está se debatendo em quedas, cachoeiras, pedras, logo ali na curva, tudo ficará calmo. Nessa época do ano, muitas pessoas tentam olhar para o ano novo como uma curva onde o rio da vida irá se acalmar. No ano novo, a vida será diferente, com novos negócios, novas conquistas, novas namoradas, novo emprego, onde tudo o que estava errado será melhorado.

Mesmo Sir Isaac Newton, grande matemático errou ao pensar na vida como um fluxo. Sua maior invenção, o Cálculo Diferencial e Integral, teve seu primeiro nome como a teoria dos "fluxões". Uma técnica matemática conhecida como derivada, que até hoje utilizamos para descrever a dinâmica de tudo, era por Newton descrita como fluxo dos eventos no tempo.

Já na Astrofísica, na Astronomia moderna, o Universo é um enorme origami. As conexões são muitas, as dobraduras da vida são difíceis, mas no final tudo tem um sentido. Ao final, tudo se transforma para dar sentido ao que fazemos. As equações se juntam para descrever início, meio e fim.

Para outros cientistas da Física, o Universo é um enorme Holograma. Não conseguimos decifrar suas conexões e complexidades porque estamos olhando muito de perto. Temos que observar a projeção, de longe, bem longe, para que a imagem descrita pelos eventos se torne bela e completa.

Essa foto a seguir foi batida entre 1958 e 1964, num período turbulento do Brasil. O que se tornaram esses homens? O que esses trabalhadores fizeram de suas vidas? Que escolhas esses homens fizeram em suas vidas? Eram todos muito pobres mas trabalhadores com afinco no que faziam.

A vida não é um fluxo, você não faz escolhas certas ou erradas. Você faz escolhas. Na realidade, nossa vida é um quebra cabeça, onde as peças estão embaralhadas. Você escolhe as peças a cada novo ano de forma a criar sua imagem final. Não é que temos altos e baixos, mas todos temos áreas mais iluminadas e menos iluminadas na vida, áreas mais detalhadas e outras fora de foco.

Por exemplo o que significa esse gráfico?

Sempre que ensinamos para estudantes como utilizar a ferramenta de gráficos do Excel, pedimos para escolherem números para elaborarem gráficos de senos ou cossenos. A grande maioria se esquece que a escolha dos pontos em trigonometria pode até ser aleatória, mas no gráfico, essa escolha deve ser ordenada. Os pontos escolhidos numa tabela devem seguir o fluxo do tempo, começando em zero e colocando ponto a ponto, um seguido do outro, sempre o segundo maior do que o primeiro.

O gráfico acima deveria ser o gráfico do seno. Mas a escolha foi errada e o que se vê, não é nada. Não tem significado nenhum. Mas quando tomamos os mesmos pontos e ordenamos, ligando-os, temos o gráfico a seguir.

Daí vem o sentido de "altos" e "baixos" na vida. Num ano de muitos problemas, a esperança é que apenas a mudança de ano torne o que era baixo algo de alto significado e melhoria de sua condição de vida. Mas não é a mudança de ano que fará a diferença, mas a escolha que você faz conforme a imagem que existe sobre você.

Todos temos nossa própria imagem que devemos desembaralhar. Só entendemos o que somos quando a imagem está quase completa. As escolhas às vezes não fazem sentido. Muitas vezes nos arrependemos e queremos voltar atrás.

Impossível, pois o lugar da peça escolhida é aquele mesmo, só estão faltando as outras para dar sentido. Olhar para uma única peça, não vai dar sentido na sua vida.

Não são altos e baixos que nos levam, mas partes muito distantes das outras que nos faz perder de vista o que está acontecendo conosco.

Um origami é uma boa ideia para representar o universo, mas não temos liberdade de manipular o universo, nossa liberdade nos restringe às nossas escolhas.

A ideia do Holograma é muito interessante e assim como um quebra-cabeça, só enxergamos o que somos quando tudo está pronto.

E nada está pronto, isso é o bacana da vida. Temos que construir nosso quadro encaixando cada peça. Todos os quadros tem partes escuras. Mas elas devem se encaixar em algum lugar.

Ao lado, a foto embaralhada não faz sentido.

 

 

 

 

Mas a cada novo ano encaixando as peças, a realidade salta e nos mostra que os pontos escuros faziam parte da paisagem.

Encaixar as coisas no lugar correto é que significa viver. Quem insiste em manter as peças nos lugares errados, não enxergará porque veio.

Será muito triste passar a vida inteira insistindo num erro, no encaixe errado de suas peças e ao terminar, olha para o quadro e nada se vê.

Todos que estavam meses atrás felizes com o processo de impeachment, estão no limbo. As peças se encaixam e mostram que são tão sujos quanto aqueles que derrubaram.

Quem foi Sérgio Cabral nos anos 1990? Estava em baixa, um insignificante político. Forçou a barra ao encaixar suas peças no lugar errado. Ele cresceu, tornou-se poderoso e até dançou em Paris com guardanapo na cabeça.

Tomou vinho caro, comprou carne de R$ 1.000,00/Kg, comprou jóias caras, desviou milhões de obras. Não adiantou, agora que os encaixes estão sendo feitos, percebe-se que seu quadro não é bom. Talvez as próximas peças que se encaixem deixem sua paisagem melhor, mas é difícil acreditar.

Olhando para Eduardo Cunha, oito meses atrás estava no auge. Como a foto ao lado, somente o Sol estava encaixado. Tudo girava em torno dele, ele era o centro do poder. Mas agora, suas partes escuras do quadro aparecem mostrando quem de fato é.

E a deputada que exaltou seu prefeito marido na votação do impeachment? O marido foi preso, as contas bloqueadas e ela também está indiciada.

Isso tudo para mostrar que não somos nada até tudo acabar. Quando chegar nosso fim, temos que ver o quadro completo, com as peças da honestidade, da sinceridade, da amizade, da fraternidade, da compreensão. São todas essas peças que fazem com que um ano seja bom ou não.

Olhe para o passado. Veja as previsões astrológicas do ano passado para esse ano de 2016. Todas erraram tudo. Videntes, numerólogos, bruxos, todos sem exceção erraram tudo. Não existe esse negócio de previsão para a vida dos outros, nem mesmo para sua vida. Todos os "grandes especialistas" econômicos erraram tudo o que disseram no começo do ano.

Previram melhora do cenário com a queda do antigo governo. Erraram.

Previram melhora do emprego. Erraram.

Previram melhora do PIB. Erraram.

Previram melhora nas vendas. Erraram.

Não acredite no futuro pregado pelos outros, acredite apenas nas suas escolhas. Elas podem parecer erradas num primeiro momento, mas algum tempo depois poderá fazer sentido. Cresça com os erros, não jogue os erros no esquecimento, jogue os erros na lembrança para não repeti-los.

O ano de 2017 será bom, ou ruim, depende somente das escolhas. Ninguém sabe qual peça o outro escolherá.

A propósito, a foto no início do texto conta muitas vidas. Não tenho a menor ideia da maioria delas, mas de uma eu conheço muito bem. Sempre buscou as escolhas corretas, com as peças da honestidade, da amizade e da bondade.

O segundo personagem da esquerda para a direita é meu pai. Na época dessa foto nenhum de seus personagens do fim de sua vida existiam, nem eu, nem minhas irmãs, nem mesmo minha mãe.

Não posso mais ouvir sua voz e dizer feliz ano novo. Mas sei que suas escolhas estão em mim. A foto da vida dele é muito parecida com a minha e com a qual devo passar aos meus filhos.

Leitor amigo, um excelente 2017!

Que você escolha bem suas peças para uma vida feliz!!

 

Gostou do texto?

FAÇA UM DONATIVO PARA O SITE

(R$ 2,00 ; R$ 5,00 ; R$ 10,00 )