Quiinta-feira, 11 de Maio, 2017

 

Acertamos na péssima produção novamente

Um país não vive de palavras, vive de fluxo de caixa positivo. O governo Temer está gastando milhões de reais com propagandas "positivas" para tentar convencer sobre a melhora da economia do país. E tem ajuda de diversos economistas e do "senhor mercado". Estão agora tentando fazer lavagem cerebral nas pessoas mais carentes em rádios, com anúncios de que a crise acabou.

O senhor Meireles agora brada em alto e bom tom que a recessão acabou e tem com isso o apoio muito estranho das associações de comércio e de indústria. Já dissemos diversas vezes que o que faz um país sair da crise é o fluxo de dinheiro positivo do governo e o poder de compras da população.

Em nosso caso Brasil, nem um, nem o outro estão acontecendo. Esqueçam o que as pessoas ligadas ao mercado dizem. São os mesmos que em 2007 diziam: " O ano de 2008 será céu de brigadeiro". O leitor lembra disso?

Na realidade "grandes nomes" do mercado previram a mesma coisa diversas vezes nesses últimos 10 anos e ... sempre erraram. Claro que todo mundo tem o direito de errar, o problema é a forma como esses erros são construídos. São erros em afirmações vazias, com cálculos vazios e errados. As vezes porque essas pessoas são limitadas, as vezes por maldade.

Por exemplo, qual o interesse para dizer que a bolsa vai "disparar", "vai aos céus" ? Se for por artigos fundamentados em cálculos sólidos, nenhum problema. Mas quando é feita por analistas que vivem o dia todo na frente de um terminal de computador olhando gráficos e notícias, pode parar. Tudo está errado. Esses analistas estão fazendo previsão em benefício próprio.

E que tal a previsão de que a Bovespa chegaria aos 80 mil pontos? O leitor se lembra disso?

Analistas correram em todos os veículos importantes da mídia, como se fossem o rei Midas, e com seu toque de dedo recomendavam: "comprem açoes, a bolsa mira 80 mil pontos". Cadê os 80 mil pontos? Desde 2009 esse valor nem de perto foi visualizado. Já comentamos sobre isso muitos anos atrás. (ler "Cadê os 80 mil pontos da Bovespa?").

Cada um acredita no que deseja, mas novamente os erros de previsão do governo e de pessoas que tem interesse nas reformas do governo, se aglomeram e crescem. Erros de estimativas, erros de modelos, erros de lógica e erros de metodologias. Uma das maiores artimanhas sujas de analistas é fazer um modelo, e mês a mês refazer as previsões com novos ajustes para o mês seguinte. Isso não é previsão científica, isso é forçar a barra para acertar e ganhar notoriedade em seu meio.

Mesmo aqueles que ganham "prêmios" do Banco Central por acertar a inflação no fim do ano, ou o PIB, não acertaram. Eles foram modificando seus modelos conforme a dança dos dados. São pseudo-analistas e suas firmas apenas vendem informações de ruído e não de estudo verdadeiro.

O IBGE divulgou na semana passada mais um dado sobre a produção industrial no Brasil.

Novamente a imprensa e o governo foram atrás de dados positivos para enganar a população.

Cometeram o mesmo erro de sempre. Estão colocando em letras diferenciadas e em negrito que a produção industrial melhorou em relação ao mês anterior.

Mas quando falam do acumulado do ano, colocam na última linha do último parágrafo o dado negativo.

Mais uma queda forte no acumulado de 12 meses. A queda em 12 meses foi de 3,8%.

E com isso, as demissões continuam e como já dissemos antes, o poder de compra despenca.

Ao lado estão duas notícias desse mês dos jornais Valor Econômico e Brasil Econômico, mostrando a pior queda nas vendas do varejo em 14 anos.

Então temos o pior desemprego da série histórica, a produção industrial 4% negativa e agora mais um dado para o pior Março em 14 anos.

Valor Econômico 11/Maio/2017

Brasil Econômico - 9/Maio/2017

Ibovespa (histórico de 10 anos)

Dow Jones (histórico de 10 anos)

Nikei (histórico 10 anos)

Como a situação está melhorando? Já perguntaram para os desempregados?

É que todos essas afirmações de melhoria se apóiam em dados da inflação, que realmente cai. E também se apóiam em dados sobre a taxa de juros, que vai realmente cair ainda mais.

A taxa de inflação cai, porque ninguém está comprando. E a taxa de juros cai, porque os empresários estão atolados em dívidas e não querem contrair mais dívidas com taxa de juros alta.

Ah sim, a bolsa está subindo.

Está mesmo?

Enquanto as outras bolsas do mundo já ultrapassaram seus recordes históricos, a Bovespa não chegou nem perto dos 73 mil pontos (recorde em 2008).

O Ibovespa está subindo localmente, momentâneamente impulsionado pelas famigeradas reformas que Temer quer aprovar a qualquer custo e tem apoio do mercado.

É óbvio que as reformas da previdência são importantes e devem acontecer. Enquanto pessoas que trabalham por 30 anos se aposentam com um salário mínimo, deputados e senadores que vivem em ar-condicionado tomando whisky se aposentam ganhando R$ 30 mil.

Isso deve acabar o mais rápido possível.

Mas essas reformas precisam ser discutidas com a sociedade de forma aberta. Na semana passada teve um "debate" no congresso. O palestrante era contra o texto da reforma. Tinha apenas 15 pessoas assistindo, sendo apenas um deputado o resto familiares.

Mas quando são palestrantes famosos da mídia e que apóiam a reforma, a sala fica cheia de deputados. Ou seja, não existe debate. Os senhores políticos apenas assistem aquilo que querem ouvir.

E porque o mercado apóia a reforma?

Ah, o pulo do gato são empresas de previdência privada. Vão proliferar empresas ligadas às aposentadorias, os bancos vão criar fundos para aposentadorias, e mais uma vez, quem vai ganhar são as pessoas ligadas ao sistema financeiro.

Então, não existe melhora da economia. Existe melhora de alguns parâmentros econômicos, o que é totalmente diferente de melhora da economia.

E a melhora desses parâmetros é consequência do desemprego e não por mérito de política de governo.

E diante dos novos dados do IBGE sobre a produção industrial, fomos checar nossos dados de previsão para ver o que dissemos sobre a produção industrial e o que está ocorrendo. Em 1/Fev/2017 escrevemos em nosso texto ("Indústria terá recessão até 2019") que a recessão vai continuar nesse ano e modelamos a situação da indústria com um modelo de série temporal.

No dia 4/Abril/2017 mostramos que o modelo tinha acertado em cheio na previsão de péssima produção industrial, contrariando os analistas que já falavam em fim da recessão em 2017. (ver "Produção Industrial:acertamos o desastre").

Novamente nesse mês, acertamos no centro da previsão o acúmulo na queda da produção em 12 meses. Os dados reais coletados pelo IBGE comprovaram nossa previsão. Como pode ser visto á seguir, a previsão está na linha azul, centro da nossa meta de projeção. Enquanto nosso modelo previu uma queda de 4,01% o IBGE divulgou 3,8% de queda em 12 meses. O erro foi de apenas 0,2 pontos percentuais de nossa parte.

Caso continue a seguir essa projeção, o governo obviamente vai dizer que estamos saindo da recessão. Para um leitor mais desatento, realmente a curva está subindo, que indica melhora. Mas o leitor deverá observar, que toda a curva está no eixo negativo!

A melhora é apenas na taxa comparativa do mês anterior, mas para um ano inteiro, a indústria nacional não sairá da recessão.

Podemos errar?

Claro, basta que o governo acerte nas políticas em busca da real recuperação econômica, garantindo e aumentando emprego, com menos impostos, menos roubos, menos desvios para pagar emendas de parlamentares, diminuição de ministérios, incentivo a vendas no varejo, incentivo à tecnologia, mas.... não é isso que o governo Temer dá indícios de querer fazer.

A notícia de hoje no UOL é que Temer vai priorizar obras que terminem em 2018. Isso mostra que esse governo não pensa no Brasil, não pensa na população, mas apenas em resultados rápidos mesmo que desprezíveis apenas para, com ajuda da mídia, dizer que foi um "bom governo de transição".

Esse governo pensa em si próprio, nos próprios políticos.

Infelizmente ainda estamos acertando e muitas pessoas vão sofrer por muito tempo.

 

 

 

Gostou do texto?

FAÇA UM DONATIVO PARA O SITE

(R$ 2,00 ; R$ 5,00 ; R$ 10,00 )