Quinta-feira, 14 de Dezembro, 2017

 

A simetria errada na solução da crise

 

Uma das maiores habilidades humana, aquela que nos diferencia dos outros animais é que, se temos um problema muito complexo onde a solução é muito difícil, tentamos resolvê-la da maneira mais fácil. Às vezes falhamos, mas esses erros são conexões importantes para aprendermos onde e por que erramos. E repetindo as soluções com as modificações aprendidas com os erros, chegamos quase certamente numa boa solução.

Em matemática, é muito comum "mudar de mundo". Um "mundo" em matemática se chama "Espaço Métrico", um lugar onde determinadas operações são permitidas a tal ponto que, usando-as quantas vezes desejarmos, conseguimos descrever com equações todos os problemas desse espaço.

E muitas vezes essas soluções são ainda mais complicadas do que os problemas. Mas se as soluções são muito complicadas a solução é mudar de espaço, tentar "mudar de mundo". E ao fazer isso, os problemas são reescritos nesse outro Espaço Métrico e soluções mais fáceis podem emergir, tratadas normalmente por matemáticos como "belas" ou "bonitas".

A essa procura por soluções em outros Espaços Métricos, surgem as conhecidas Simetrias.

Um bom exemplo disso é obervar uma circunferência. Ela tem uma simetria infinita, pois existem infinitos ângulos para rotação, não importa o sentido ou quantas vezes a giramos a figura é sempre a mesma. Se rotacionamos a circunferência em torno do seu diâmetro, também teremos a mesma figura, pois ela é perfeitamente simétrica.

O mesmo acontece com soluções de equações, conhecidas com algébricas. Essas soluções formam o que os matemáticos chamam de grupos, que possuem regras para as operações de rotação, translação, multiplicação, soma, subtração, etc. O primeiro a encontrar essa maravilha da natureza matemática foi Galois, que já retratamos aqui em nosso texto " Se as borboletas falassem...". Os grupos de Galois envolveram muitos matemáticos após sua divulgação e chegaram até Marius Sophus Lie.

Sophus Lie era da Noruega e se formou na universidade de Christiania em 1865 e como colegial não chamou muito a atenção dos professores. Mas na faculdade, após estudar os grupos de Galois, pensou em desenvolver o mesmo raciocínio para outros tipos de equações:

As conhecidas equações diferenciais, que são aquelas representantes da dinâmica de tudo o que tem movimento no universo.

Sophus Lie

As equações diferencias foram inventadas por Newton para descrever os movimentos dos corpos, movimentos dos pêndulos, enfim tudo o que se move. Elas tratam de descrever a taxa do movimento e por isso sua área de estudo é tão ampla, tão importante e bastante difícil. Essas equações estão presentes em tudo o que inventamos nos dias atuais, de aviões a celulares, de medicamentos a produtos químicos, da medicina à psicologia, enfim, pense numa área e lá existirá alguma equação diferencial.

Tratamos sobre essas equações e suas aplicações no mercado de ações em nosso livro "Mudanças Abruptas no Mercado Financeiro". As chamadas simulações computacionais são descritas aqui em nosso site em "O que são sistemas dinâmicos". O que Sophus Lie desenvolveu estava um século de distância de 1867.

Sua criação, chamada de Álgebra de Lie e Grupos de Lie, servem para solucionar equações diferenciais complicadas num outro Espaço Métrico com soluções quase sempre "belas" e "infinitas".

Sim, Lie sempre buscou generalizar seus estudos, tornar as soluções sempre infinitas, não se preocupando com quais parâmetros ou medidas foram feitas. E por causa disso os Grupos de Lie são os mais modernos e mais avançados do mundo.

Quem criou o universo? Deus? Big Bang?

Qual o melhor modelo? Teoria das cordas? Relatividade quântica?

Pois é, os Grupos de Lie agora pertencem aos físicos e astrofísicos, tentando decifrar a origem do universo, a origem da vida, usando Grupos de Lie na física das partículas.

Quanto custou o maior acelerador de partículas do mundo na europa? Bilhões de dolares? Sabe quem os motivou?

Sim, os Grupos de Lie, que deram soluções muito interessantes para os modelos dos físicos sobre a criação do universo, prevendo uma partícula chamada a "partícula de Deus". O acelerador CERN na Europa foi construído para provar o modelo da física das partículas, cuja solução foi encontrada usando as simetrias previstas no Grupo de Lie.

Olhe para a figura a seguir. É conhecida como E8.

Na realidade o nome completo é Excepcional Lie Group E8 e só foi possível desenhá-la graças a soma de 18 matemáticos trabalhando e programando juntos, solucionando as conexões que advém dos grupos de Lie.

Segundo o site "O Baricentro da Mente" se os cálculos dessa figura fossem impressos em letras minúsculas, cobriria uma área do tamanho de Manhattan, ou 58 km2.

E pensar que Lie pensou nisso apenas olhando equações e vislumbrando as conexões que poderiam criar regras mais simples lá nos anos 1800.

A simetria serve para resolver problemas, levando as soluções mais complicadas para um universo mais fácil de manipular.

Isso é para aprender, é para colocar em prática.

Mas não aqui no Brasil.

Ao contrário das Ciências Exatas, a Economia visa sempre reduzir o problema a retas.

A isso se chama de linearização, cuja solução qualquer matemático mediano sabe que é válida apenas ao redor de onde se linearizou. Uma solução pra lá de limitada.

 

Soluções para ligações no Grupo de Lie para um problema específico

 

 

 

 

 

 

Site do Panama Papers com nomes de todos os políticos que criaram empresas para receber propina no mundo inteiro

 

 

Pior ainda do que usar retas para descrever problemas complexos é a discretização das equações na Economia. Significa dizer que economistas sempre assumem que entre um tempo t e outro tempo futuro (t + s) nada acontece!

Que maravilha, os economistas assumem buracos no tempo e tentam projetar nossos futuros com essas aberrações abandonadas há 200 anos nas Ciências Exatas.

Com a enormidade de softwares, com a vasta quantidade de computadores, a área de Economia ainda se preza por linearizar e discretizar equações e ficar discutindo o "sexo dos anjos" !

Então, como em sã consciência, alguma solução baseada nessas regras abandonadas há 200 anos pode funcionar?

Claro que não funciona.

As soluções para a crise de 2008 vindas da tradicional economia, todas falharam. O que fez então no desespero o banco central dos EUA? Chamou banqueiros e abriu a porta do cofre.

Todos os economistas e analistas garantiam que os créditos negociados com hipotecas eram seguros. Alguns economistas até publicaram artigos e ganharam muito dinheiro com isso, dizendo que a Islândia era o "exemplo" de que a economia com os títulos de hipotecas era o país mais seguro para se investir.

E quando o Lehmann Brothers caiu ... sumiram esses economistas e nem foram punidos.

A Islândia, por ser pequeno país, ainda chegou a prender 26 banqueiros e financistas, mas o resto do mundo ficou por isso mesmo.

No ano passado novamente outro escândalo explodiu no mundo, com os chamados Panama Papers. O povo islandês foi as ruas e pressionou o primeiro ministro a sair.

No Brasil, grande parte dos políticos importantes estão juntos nesse caso do Panama Papers. Mas aqui, diferente da Islândia, são tratados pelo mercado financeiro como "heróis", como "especialistas", como "deuses da economia", tais como o senhor Meireles.

Por que ninguém pressiona o senhor Meireles sobre o Panama Papers? Por que ninguém pressiona ou investiga o senhor Meireles sobre a J&F?

Sim, ele era um executivo do alto poder da empresa mais corrupta do país, cujos donos almoçavam com ele e hoje estão ... presos!

Ou o mercado está fazendo vistas grossas em acreditar nas palavras de Meireles de que nunca ouviu falar em pagamentos de propinas?

A solução dada por Meireles, por Temer e seus companheiros, ou como disse o senhor Janot no relatório do MPF " uma quadrilha", é a solução mais sem sentido do mundo, a mais anti-simétrica sobre qualquer Espaço Métrico matemático. Como uma solução para uma crise pode complicar ainda mais uma crise ao se mudar o foco?

Assim como na simetria do Grupo de Lie, quando mudamos de Espaço Métrico, buscamos uma solução mais fácil, mais inteligente. O que Meireles e a quadrilha fizeram foi jogar os mais pobres e necessitados para uma condição ainda pior do que antes da crise. Ao colocar um teto absurdo para investimetnos no ano passado, inúmeros setores ficaram sem dinheiro já em setembro desse ano.

Faltou dinheiro para a saúde e o que Meireles e Temer fizeram? Cortaram os programas que distribuiam medicamentos importantes para a população de baixa renda. Não contente cortou ajuda as UBS para tratamentos em casa. Cortou programa de cirurgias eletivas.

Na área de educação abandonou projetos escolares importantes de merenda, de repasse do Fundeb, de reciclagem de professores. Ao ser pressionado pela imprensa voltou atrás e liberou uma verba de urgência para o ministério da educação.

Cortou verba da Ciência, abriu os cofres usando 20 bilhões de reais para comprar votos e não ser investigado.

Mas precisava de mais dinheiro. O que fizeram?

Acabaram com a CLT, alegando lei ultrapassada e protecionista. Claro que ao ajudar empresários do setor de saúde privada e ensino privado (que adoraram essa mudança) incentivou o desemprego. Os primeiros a serem demitidos foram 400 funcionários de hospital e 1.200 professores da universidade Estácio de Sá, uma semana após a lei entrar em vigor. Aliás essa universidade é ligada a um grupo que está comprando inúmeros estabelecimentos de ensino e tem ações na Bovespa.

Qualidade? Nenhuma.

Mas o desemprego está caindo e a inflação está abaixo da meta, dizem os economistas do "senhor mercado".

O desemprego está caindo porque todos os desempregados estão fazendo bicos ou montando empresas sem experiências que vão fechar logo. Muitas delas nem entram nas estatísticas oficiais. É só olhar quantas pessoas existem nos semáforos, quantas estão morando embaixo das pontes, quantas na cidade de São Paulo andam com carrinhos de supermercados emprestados para carregar seus pertences pois não tem mais casa onde ficar.

A inflação está abaixo da meta porque ninguém mais compra como antes, pois estão desempregados e inseguros. Quem antes ia ao mercado comprar dois dias de carne, agora compra um, ou substitui por ovos.

E agora, apoiado por economistas, sim os mesmos que gostam de linearizar e discretizar os problemas, o governo quer modificar a previdência colocando um pedágio para quem já pagou, pagar um pouco mais. Temer alega que "todos devem colaborar". Certo senhor Temer, vamos começar com sua aposentadoria, a de Aloysio Nunes Ferreira, a de Padilha e Moreira Franco.

Todas essas aposentadorias estão acima de R$ 40 mil e nunca foram efetivamente pagas por eles, mas paga por nós. E quem apóia esse tipo de reforma? Economistas, usando cálculos errados, esdrúxulos e ultrapassados para jogar a conta em cima de quem já trabalhou e está no sistema colaborando há anos.

A solução desses economistas e jornalistas que apóiam essas maluquices, deixariam Sophus Lie ainda mais maluco do que quando morreu em 1890. Ele nunca conseguiria entender que esses economistas que ajudam Temer a falar inverdades para a população, levaram um problema matemático onde a solução é uma pobreza maior, um desemprego maior, um aprofundamento que não é sentido no círculo fechado de quem trabalha no mercado financeiro. Essas dificuldades só são sentidas no mercado de rua.

Todos aqueles que usam paletó e gravata, que participam em eventos com Temer e seus economistas "especialistas", estão em outro Espaço Métrico. Se rodearam de baboseiras para dizer e acreditarem que a crise acabou, que "estamos no rumo certo", ou ainda como disse outro economista "estou otimista com essas reformas".

Diga-se de passagem, que essa redoma de economistas ao redor de Temer foi a mesma que jogou o país numa crise sem precedentes nos anos 70, com Delfim Neto. Ou ainda outro que subiu a Selic a 50% no final dos anos 90. Ou ainda outro que no governo Sarney propôs e executou 3 planos fracassados que geraram a hiperinflação nos anos 80.

Hoje eles tem consultorias e são "aclamados como especialistas". Mas não contentes, querem voltar ao poder para fazer tudo de novo.

Esses caras do "senhor mercado" estão loucos, ou acham que todo mundo é idiota de entrar em seus "Espaços Métricos" de loucura permanente?

Sorte de Sophus Lie, viver em outra época, onde pelo menos não tinha a internet para ficar sabendo dessas loucuras aqui no Brasil.

Jantares não faltam, onde economistas levam seus slides de powerpoint para convencer os deputados a votarem logo essa reforma prejudicial ao cidadão.

Se realmente ficar comprovado o que o ex-procurador da justiça Rodirgo Janot disse, que o senhor Michel Temer é chefe de quadrilha, cabe-nos apenas uma lembrança sobre isso:

Quem participa de jantar com chefe de quadrilha, é o que?