Sexta-feira, 18 de Setembro, 2015

 

Preços dos títulos da dívida despencam

No dia 9 de Maio de 2014 escrevemos o seguinte em nosso texto "É hora de comprar títulos?":

"...Para quem comprou em março desse ano e está acompanhando o mercado de títulos, deve estar com aquela gostosa sensação de ganho rápido e seguro. Mas cuidado, pois poderá estar entrando na onda das especulações de curtíssimo prazo. O que se viu nesses últimos 40 dias não condiz (infelizmente) com a condição econômica do país. Quem fez aquisições de títulos como negócio de venda curta para cerca de um mês, talvez seja a hora de resgatar os lucros, pois tudo poderá virar... "

Títulos da dívida pública podem ser seguros, se a compra tiver um objetivo de longo prazo. Entenda-se por longo prazo algo por volta entre três a cinco anos. Muitas vezes, é possível sim, realizar bons lucros de curtíssimos prazos, por exemplo em questão de meses. Mas com as taxas e impostos cobrados, um bom cálculo precisa ser feito para se verificar o êxito da operação.

Conforme escrevemos, entramos numa onda de especulações de curtíssimo prazo, alguns meses após o texto ser publicado. O modelo matemático de Svensson, que estamos utilizando para prever o comportamento dos títulos NTNB, apontava na época taxa de juros para esses títulos por volta de 7%. Mas naqueles dias o NTNB com vencimento em 2035, estava com pagamento de 6,3%, no que arriscamos um palpite de que estavam errados e iam subir. A figura à seguir é reprodução do artigo anterior.

O leitor deve ser lembrado que alta de juros para os títulos da dívida pública implica em queda no valor do título. Se o leitor comprar um título de longo prazo a R$100, com juros de 5% e dentro de um ano os juros aumentarem para 10%, o valor dos títulos será abaixo dos cem reais iniciais. O investidor perde quando os juros dos títulos da dívida aumentam. E eles ganham quando os juros caem.

Para quem está com títulos conhecidos como pré-fixados, estão garantidos e livres dessa oscilação. Mas nesse caso, enquanto em um ano o investidor pode receber 12%, para os títulos de longo prazo pós-fixados como os NTNBs, o investidor poderá ganhar 30%, 50% e valores até mais altos.

O modelo de Svensson foi apresentado em nosso texto "A hora do tesouro está chegando" em 14 de março de 2014. Resolvemos rodar esse modelo novamente e observar o novo cenário dos juros e dos mesmos títulos NTNBs. Para o leitor que desejar entender melhor como funciona as relações entre títulos, preços e juros, é recomendável ler nosso texto de 2011 "Hora de ir às compras... de títulos".

Voltando ao ano passado, após nosso último texto, o que se viu nos preços dos títulos está apresentado no gráfico à seguir.

Menos de um ano e meio depois de nosso texto, o preço de hoje do mesmo título vale menos do que em 9 de Maio de 2014. Na época o título valia R$ 680,00, hoje vale R$ 678,00. Por isso um investimento em títulos de dívidas deve ser pensado para um horizonte muito mais longo do que meses ou menos de três anos.

Podemos imaginar o seguinte: mas se eles valiam R$ 680,00 e atingiram em seu ápice R$ 850,00, um ganho de 25% é muito bom em um ano. Mas esse é o valor bruto, e não se deve esquecer de que para esse investimento ser retirado antes de um ano e meio, o imposto pago é de 20% sobre o lucro, mais as taxas da corretora. Então ao invés de 25% o ganho pode ser por volta de 18%, o que chega próximo à taxa de títulos préfixados. Mas isso, claro, se o investidor acertar exatamente a venda no ápice, o que é muito mais difícil.

Pode-se observar na figura anterior que a oscilação foi muito forte, especulativa de curto período conforme alertamos em nosso texto. O preço desse título ficou muitas vezes no intervalo entre R$ 700 e R$ 800,00. Vendido nessa faixa de valores, o investidor pode ter empatado ou perdido para os títulos de renda fixa. Por isso, devemos pensar sempre em grandes horizontes de tempo.

O gráfico ao lado apresenta o comportamento dos juros somente desse ano de 2015. Percebe-se o grande impacto da crise financeira que se alojou.

Os juros desse título que estavam em 6%, nesse mês já passam de 7,5%. E poderão aumentar?

Essa é uma previsão difícil, conforme alertamos sobre especulações. A especulação é a inimiga mortal de qualquer modelo financeiro. Mercado com grandes movimentações aleatórias destroem todo e qualquer tipo de previsão.

Não se deve utilizar os dados ao lado, para inocentemente traçar uma linha de tendência e esticá-la para um horizonte distante. Isso é o que muitos inocentes analistas fazem.

Mesmo o modelo matemático que usamos aqui, rodado em Matlab, deve ser observado com cautela, pois suas premissas mudam o tempo todo. E com especulação... pobre do Svensson.

 

 

Previsão do modelo em 2014

 

Previsão errada sem ajuste dos parâmetros

 

 

Previsão de 2015 a 2018

Mas teimosamente, rodamos o modelo de juros desenvolvido pelo senhor Svensson com os dados do NTNB-principal de 2035.

O primeiro gráfico ao lado é a previsão do modelo antes da crise financeira se instalar. Essa previsão foi para a data de 9 de Maio de 2014.

A previsão do modelo para cerca de 3 anos à frente mostrava que depois de uma alta, os juros tenderiam a cair. Ou seja, o investidor poderia começar a ter lucro em até 3 anos.

A linha contínua é a previsão do modelo, sendo a cor vermelha o que se esperava do futuro. Isso era antes da eleição...

Após a eleição o cenário de especulação alterou consideravelmente o comportamento dos títulos. E eles devolveram em pouco tempo, todo lucro que as pessoas tiveram três anos antes. Basta lembrar que dois anos atrás esses mesmos títulos valiam quase mil reais.

Novamente, colocamos o modelo para funcionar e trabalhar. Primeiro vem a fase de identificação dos parâmetros. E depois de ajustado de maneira ótima pelo Matlab, estamos aptos para a previsão.

Identificação é a técnica para se descobrir os melhores parâmetros para adaptar o modelo aos mais recentes dados.

Se isso não for feito, o resultado que se tem é o projetado ao lado, completamente errado e fora de propósito. O círculo ao lado, no gráfico da figura ao lado, apresenta os mais recentes dados do título NTNB na data de hoje.

Depois do rebaixamento da nota de crédito da Standard & Poor's, os investiidores externos passaram a exigir juros maiores na compra de nossos títulos.

O modelo com os parâmetros antigos, antes da crise já não serve para mais nada. Então o processo de identificação visa corrigir a distorção para a realidade.

E uma vez corrigido, o cenário esperado é de alta nos juros do NTNB principal com vencimento em 2035. É possível observar agora nosso novo resultado, com previsão para mais três anos à frente, a partir dessa data.

Novamente tudo poderá mudar, se o cenário econômico se alterar, com o pacote do governo dando certo, com o clima político melhorando e a situação econômica entrar nos trilhos novamente.

A última figura ao lado, mostra o ajuste feito na curva em azul para os dados reais mais rencentes. A curva em cor preta são os dados de juros (leia-se por exemplo 0.065 como 6,5%) para o NTNB-2035.

E por fim, a linha em vermelho é a projeção. Se tudo continuar como está, sem melhoras no cenário econômico, o modelo de Svensson mostra que os juros desse títulos continuarão aumentando e permanentes na taxa de 7% a 7,5%.

Isso significa que o preço deve cair mais um pouco, por volta da casa de R$500,00 e estacionar numa faixa entre R$ 500 e R$ 600. Mas esperamos que não.

Se isso ocorrer, realmente estaremos todos nós estagnados, paralisados e a economia em forte recessão.

A pegunta que fica no ar então é: Está na hora de comprar títulos pós-fixados de longa data como o NTNB-2035? Talvez quem adquira esses títulos no atual momento, ainda veja o capital se desvalorizar mais um pouco. Talvez não caia tanto quanto já caiu, mas pode ainda baixar mais de valor.

Um bom momento talvez aconteça dentro de dois meses a três meses. Se a inflação ceder de maneira convincente e forte, se o pacote for aprovado, se os investidores externos gostarem do pacote, se o dolar voltar para uma trajetória de queda, isso rapidamente se refletirá nos preços desses títulos.

Então, o mais prudente talvez seja esperar esse desenrolar da briga entre o congresso e governo, e observar o que exatamente do pacote será aprovado e se o resultado será bom.

Um bom sinal é que o Banco Central não aumentou a taxa de juros básica, a SELIC. Se novos dados desse mês e do próximo mostrarem queda na inflação, talvez em janeiro possamos ter uma pequena correção da SELIC para baixo. Aí sim, será um bom momento de compra para esses títulos.

Então, uma boa decisão agora, a respeito desse tipo de investimento é esperar ver os passos do Banco Central. Ele vai traçar os futuros desse tipo de títulos.

 

 

Gostou do texto?

FAÇA UM DONATIVO PARA O SITE

(R$ 2,00 ; R$ 5,00 ; R$ 10,00 )